domingo, 1 de março de 2009

Liberdade íntima



Ando me preocupando
tanto quanto uma criança,
que enquanto andando,
brinca com a mão,
acena, balança.
E não me sinto incompleto.
E rio, rio quando vejo essa sensação
em você, mesmo com mais idade,
inseguro, repleto
de tantos medos!
enquanto isso, ainda como criança , caminho
toda a preocupação
em Ser,
no Estar, larguei mão.
Ainda de medos envolto?!
Pois eu continuo livre,
livre, leve e solto...

Gustavo Ruzzene Ramos

2 comentários:

Italo Sena disse...

Gosto de poemas que retratem algo que não seja o amor.
Acho que dos poetas dos blogs que eu vejo, você é o que tem textos mais agradáveis pra mim.
até logo o/

Rafa de Souza disse...

mais um ótimo poema!

parabéns!